Sem controle, como as marcas devem orbitar no mundo digital?

Google, Microsoft e Coca-Cola mostram seus casos de sucesso na ação de abandonar técnicas tradicionais de Marketing e inovar para conquistar os internautas

Em um mundo totalmente diferente do cenário de 10 anos atrás, as empresas abandonam alguns pontos do marketing tradicional na busca de reinventar, renovar e inovar. O principal caminho para o sucesso é saber que não é possível controlar a imagem da empresa como antes, mas abrir mão disso sem entregar totalmente o conteúdo da marca aos consumidores, cada vez mais exigentes, divulgando espaços próprios para eles se comunicarem.

» Curta a página da Imagine no Facebook

"Não existe marketing digital hoje em dia. É tudo marketing, apenas", diz Allister Frost (foto), diretor de estratégia em marketing digital para a Microsoft, durante evento da MAA (associação de agências de marketing, na sigla em inglês), realizado dos dias 19 a 21 de outubro. "Temos que simplificar. A internet é somente pessoas conversando online", diz Frost.

A linha de pensamento de criar estratégias para aumentar as vendas foi ultrapassada no meio digital. "Na internet, vendemos as marcas e não produtos ou serviços. A propaganda tradicional sozinha não funciona mais", afirma Marcio Garcez, diretor de consumo e propaganda da Google Brasil, em apresentação no mesmo evento.
Abandone o controle

Uma das percepções mais incentivadas entre os diretores de marketing do mundo é que as marcas não podem mais controlar todos os seus pontos de contato e devem aprender a lidar com este fato. "Se tudo parece estar sob controle, você não está indo rápido o suficiente", disse Matthew Yeomans, co-fundador do SMI, um renomado site de estratégia online, citando a lenda do automobilismo Mario Andretti.

Como exemplo, ele falou sobre o caso da Coca-Cola, com o episódio dos vídeos, bem populares na web em 2006, que mostram a explosão que ocorre quando coloca-se uma bala Mentos dentro do refrigerante (foto). "A Coca-Cola odiou a repercussão, mas por outro lado, a Mentos não viu problemas com a publicidade involuntária", diz Yeomans.

Na ocasião, Carol Kruse, vice-presidente de marketing da Coca-Cola, afirmou que "os consumidores são os donos das nossas marcas". A partir daí, a empresa realizou uma série de estudos e vem investindo pesadamente nas mídias sociais. "Agora, a Coca-Cola conta histórias e abre espaço para argumentação, como na fan page e no site Coke Zone", diz Yeomans.
Consumidores exigentes

Já existe uma compreensão de que o consumidor é exigente na internet. Mas nem toda empresa sabe lidar com eles ainda. "Não podemos mais gritar, temos que conversar", diz Frost. "Ignorar o cliente não é uma opção, mas devemos também começar uma comunicação estratégica e para isso é preciso entender a linguagem da mídia, escutando antes de falar".

O objetivo é achar um limite entre abrir mão do controle, mas também saber guiar a atuação da marca pela estratégia da empresa, e sempre monitorar. Um dos casos que não foram bem sucedidos foi o da Skittles, no Reino Unido, que lançou uma página em que os consumidores podiam postar em tempo real mensagens sobre o que a marca significava para eles. No fim de semana, sem nenhum funcionário da empresa monitorando, surgiram mensagens difamatórias.

Em outro caso, a TIM lançou uma ação que chamava as pessoas para um encontro na praça Trafalgar Square, em Londres, para cantarem um tema. O aplicativo teve 8,7 mil uploads e a empresa gastou 3,5 milhões de euros na divulgação. "O problema é que praticamente ninguém repercutia a ação positivamente, pelo contrário, aproveitavam o evento para reclamar dos serviços ineficientes da empresa", conta Yeomans.

No Brasil, a Johnnie Walker passou por algo parecido. Após divulgar seu vídeo, de alto custo, que mostra o morro Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, acordando e andando, para reforçar o compromisso da marca com a cidade, dezenas de pessoas começavam a compartilhar no Facebook uma mensagem para a marca: "Dane-se. Vou para a Europa".
Marcas podem orientar internautas na criação do conteúdo

Não é possível prever as repercussões no âmbito digital. Há, no entanto, maneiras de lidar com o meio. "Se as pessoas estão contando histórias sobre a marca, então porque não contar a sua?", diz Yeomans. A empresa deve fazer uso da sua própria história e focar em seus pontos principais para contá-los em suas publicações, lembrando sempre de segmentar seu público-alvo.

Na tentativa de gerenciar o que é falado sobre a marca na internet, a Dell criou um site, o Idea Storm, em que as pessoas podem postar o que quiserem sobre a marca e seus produtos. Assim, a empresa pode acompanhar mais facilmente o que é falado, até para responder os comentários.

Uma evolução desse pensamento é o uso de conteúdo editorial feito pelos próprios internautas. "Pense como um publisher, já que na internet qualquer um pode ser parte da mídia, e as empresas também são", diz Yeomans. Seguindo esta linha, a Volkswagen criou no Reino Unido uma campanha em que nove pessoas foram selecionadas para testar o novo carro da marca e fazer uma crítica do produto a ser postada na fan page. Os textos passaram por uma votação e o vencedor ganhou o carro.
A diversão é o melhor caminho

Mesmo tentando impor certos limites, a organização não estará imune aos comentários negativos. O outro lado é abdicar totalmente de tentar prever as reações na internet e focar em tentar agradar os internautas. "Para mim, o segredo é não ser tão sério. É preciso humanizar a empresa um pouco. Postar no Facebook algumas frases como 'hoje a máquina de café não está funcionando aqui' podem ter um efeito surpreendente", diz Frost.

Ainda dentro do projeto de entreter os consumidores online, uma boa tática é recompensá-los. Não somente por meio de concursos, mas também com ações inteligentes, como os Social Objects, que ainda adicionam valor à marca. "Um exemplo de Social Object é, se um site de turismo está lançando uma promoção de viagem para Galápagos, fazer um vídeo com 10 dicas do que levar para o país, brincando um pouco com a ideia", diz Frost. O objetivo não deve ser aumentar as vendas, mas tornar a marca conhecida.

"Uma das coisas que mais funcionam é espalhar a diversão. Use o consumidor a seu favor, surpreendendo-o, provocando-o e entretendo-o", sugere Garcez. Ele citou o caso do vídeo do Swagger Waggon, da Toyota (foto), com um rap feito por uma mãe e um pai, para tornar divertida a mensagem de que o carro é para a família. Seguiram diversas paródias feitas por internautas, mas nem todos mostravam um automóvel da Toyota. "Não tem problema que o produto é outro, o conceito é o mais importante", diz Garcez.

Fonte: Exame

Artigos relacionados

Nem monólogo nem diálogo: sua empresa está é falando sozinha na web 2.0

Depois de tanto tempo acostumadas ao período de monólogos, agora as empresas estão correndo desesperadamente atrás do tempo p...

Marketing de guerrilha

Não faz muito tempo, as marcas perceberam o potencial da capacidade de propagação de informação da internet. Desde então, mui...

Chuva de Twix repercute de forma negativa na internet

Evento recebeu público maior do que o esperado e restringiu o acesso para duas mil pessoas Depois de muita espera, a Chuva...
 

Imagine Comunicação Digital

Av. Treze de Maio, 1116, Sala 1901, Fátima | CEP: 60040-530 | Fortaleza - CE - ver no mapa | Google+

Telefone: +55 (85) 3032-9525 | Email: atendimento@imagineseusite.com.br | Siga nas redes:

© Imagine Comunicação Digital